Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 108 textos. Exibindo página 7 de 11.

No descompasso do assim

Queria lembrar dos teus passos
Mas só faço morrer nos teus braços
Entre o entrelaço e embaraço
Onde surgem escassos
Os traços teus nos meus.

Queria nascer dor do teu amor
Mas não me deixa sofrer
Tampouco doer
De amar como for
Quando posso e possuo.

Pedi tanto para me deixar sozinho
Com tua pele teu gosto teus momentos
Teus destinos tuas frases teus sofrimentos
Mas me deixaste no caminho
Que te leva de mim.


Comentar Seja o primeiro a comentar

03/06/2015 - No estradão tem...

No estradão
Tem formiga
Corta-folha
Corda de violão
Tem liga e viga
Bolha e rolha
Arte e garrafa
Parte de tarrafa
Tem linha e caco
Sal e tabaco
Pau de canela
Resto de vela
E até chinela
No estradão
Tem pedregulho
Muito entulho
Mola de colchão
Ovo de lagartixa
Chave e lixa
Mato de beira
Flor que cheira
Asa de borboleta
Mil sementes
Cova rente...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

17/07/2015 - No fundo dos olhos

Olha a fundo meus olhos fundos
Toma meu mundo e o que sou
Leva minha alma ao seu profundo
E me bendiga para onde eu vou
Eu sou pipa, maranhão, papagaio
Na sua mão
Voo alto estrelas, nuvens e raios
Você me sustenta, me unguenta,
Dando-me a linha do seu destino
Fazendo-me o seu sempre menino


Comentar Seja o primeiro a comentar

03/07/2014 - No mar

O mar que lhe chama
É o amar que emana
Em ondas de tempo
Em sais de unguento
O mar que lhe trama
É o falar que engana
Em ondas que vão
E quando vem são
O mar que enrama
É o pulsar que dana
Em ondas sem raiz
Vivendo por um triz


Comentários Comentários (1)

23/09/2015 - No mar se eu fosse

Se eu fosse Rosa
Eu me dava
Pras águas de Iemanjá
Até o dia clarear

Mas eu sou José
E Zé tem espinho
Dai meu caminho
Faço longe do mar

Se eu fosse lua
Eu mergulhava
Pelos sais e corais
Rumo às perolas

Mas eu sou cometa
E posso queimar
As conchas dos cabelos
Da rainha Iemanjá

Se eu fosse faroleiro
Eu iluminava as ondas
O vestido e o corpo ...
continuar a ler


Comentários Comentários (2)

No meio do caminho

Pedi tanto para me deixar sozinho
Com a tua pele, teu gosto, teus momentos
Teus destinos, tuas frases, teus sofrimentos
Mas, me deixaste no meio do caminho
Que me leva de você.


Comentar Seja o primeiro a comentar

13/07/2015 - No meu bolso

E o meu bolso
É um calabouço
De prosas e versos
De um universo
De linhas e poesias
Anotadas, rabiscadas
Em qualquer hora do dia
Em pedaços de papel
Papel de pão, guardanapo,
Jornal, revista, gibi
Eu não escapo
De registrar o que eu vi
O que eu senti ou vivi
E essa sentimentagem
Eu levo comigo nos bolsos
Calabouços de afeição,
De ilusão, da paisagem
Que cresce pelo coração


Comentar Seja o primeiro a comentar

01/04/2015 - No meu interior

Lá no meu interior do interior do mato
Carne é embrulhada em jornal de ontem
Verdura é trazida orvalhada pelo carroceiro
O copo vazio vai pro pasto e volta com leite
A dona do mercadinho anota pra mãe da gente
As frutas são comidas diretamente no pé
O capim exala um perfume inconfundível
O jardim velho tem maçã-do-amor e churros
As ruas do centro são de paralelepípedo
Cedinho tem pão bengala no cesto de bambu
O frio é espantado no rabo do fogão a lenha...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

02/11/2016 - No meu íntimo

Ela habita o meu íntimo
Brinca em meus labirintos
Sem querer achar a saída
Faz bolhas de sabão
Enche balão, num trem bão,
Menina dos meus sonhos
Sempre bem-vinda
Deixa menos enfadonho
O meu mundo
Me faz ser surreal
Com os seus toques
E me leva a reboque
Pro seu carnaval
Mais que mais profundo
Me faz feliz 25 horas por dia
É a minha doce imperatriz
A minha vontade sem idade
É a imortalidade da fantasia...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

21/12/2015 - No oceano dos seus olhos

Deixa a vida me rumar, de rio em rio, ao oceano
Vasto e profundo dos seus olhos fundos de fé
Nos quais ficarei bailando feito um aguapé
Não temo as correntezas do caminho que traço
E faço rumo aos seus olhos de boneca de pano
Nos quais quero baixar as velas e contemplar
Imerso em suas águas sol e lua a se misturar
De um modo mais que perfeito mostrando
E comprovando que o amor maior tem jeito


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   5  6  7  8  9   Seguinte   Ultima