Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 34 textos. Exibindo página 3 de 4.

26/03/2016 - Um pedaço

Um dia, num futuro nada distante,
Verá que o pedaço de mim que te dei
E com frieza e indelicadeza desprezou
Por achar deveras pouco e tão inútil
Será maior, muito maior, que o todo
Que se tornou com sua insaciedade
E justamente aquele pedaço rejeitado
Será a peça que faltará para sempre
Para completar o seu quebra-cabeça,
O seu destino, a sua sonhada felicidade
Não rogo pragas, tampouco tristezas
Para quem quer que seja, mas a beleza...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

14/10/2013 - Um pouco de ar

Um pouco de ar
Por favor, quem tem um pouco
De ar para doar
A quem já está louco
De tão pouco
Ar que tem
Para respirar

Um pouco, um pouco, só
Um pouco de ar
Puro sem ácido ou pó
Um punhado só
De ar sem nó
Quem tem para dar,
Para dar sem dó?

Um pouco, por amor, de ar
Vindo de algum lugar
Um ar capaz de ventar
De levar, de movimentar
Só um pouco de ar
Capaz de dar um soco...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

27/07/2014 - Um preto velho me falou

Um preto velho me chegou carregando meu sofredor
Um preto velho me mandou abrir meu falador
Um preto velho me aconselhou como meu avô
Um preto velho me falou sobre o amor
Um preto velho me guiou pra onde eu vou
Um preto velho escutou o meu sonhador
Um preto velho manipulou o que esse filho chorou
Um preto velho me levou ao que ainda não vingou
Um preto velho revelou o dia que ainda não raiou
Um preto velho me serenou a estrela que me brilhou...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

12/02/2016 - Um pro outro assim

Bota
Seu corpo junto ao meu
Nota
Que o tudo combina
Como pierrô e colombina
Volta
Seus braços em volta
Dos meus abraços
E não solta, não solta
Por favor
Corta
Suas ligações com o mundo
Mergulha de cabeça, fundo
Mesmo em mim
E se esqueça avessa
Em meu jardim
De amor
Morta


Comentários Comentários (1)

21/06/2014 - Um só beijo

Era só um beijo
Perdido
Na multidão

Um beijo só
Caído
Na contramão

Um só beijo
Partido
Na meia-estação

Só um beijo era
O pedido
Ao deus garçom


Comentar Seja o primeiro a comentar

27/04/2015 - Um tempo que não há

Mais dia menos dia
Você vai parar
Sorridente ou não
E olhar pra trás
E se assustar
E se admirar
Com a construção
Portanto
Para maior o encanto
Seja sol ou seja lua
Construa, construa
Construa na lida
A sua vida
Você é o seu passado
O futuro é abstrato
E o presente
É tão somente
O desacato
Do de repente


Comentar Seja o primeiro a comentar

16/02/2015 - Uma condor

Corra sua mão por meu corpo sem qualquer parada
Descobrindo o meu mapa astral tatuado de nascença
Beba das profecias que me fazem o que sou e diga
Que me amou, ama e amará como amante, amiga
Amada com toques barrocos modernos da renascença
Lambuze-se das minhas águas profanas, sagradas
Marcando presença em cada reduto secreto ou não
Que compõe o meu estandarte, beija, ai me beija
Com a arte dos lábios dobrados como flor de renda
Venda meus olhos nos óleos dos seus olhos...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

07/09/2015 - Uma lua na palhoça

Aqui na minha palhoça
Tem bossa em rama
E uma lua inteira
Que deita na cama
Com suas dez cordas
Esparramando modas
Pela mata sem poda
Lua cheia violeira
Que aqui dorme e some
Do céu sem explicação
Pra mor da imaginação
Nossa, que é maior
Do que essa palhoça


Comentar Seja o primeiro a comentar

25/04/2014 - Uma mulher chamada vida

Caminha por aí
Por entre os atos desse cotidiano mesquinho
Consciente de sua surpreendente beleza
Uma mulher chamada vida

Caminha como colibri
Que abdica das asas
Para andar e amar por entre os humanos
Utilizando dos sonhos para voltar aos céus

Caminha por aí
Soberana em sua condição apaixonante
Na natureza que alinhava o querer e o querer mais
Pela vida que lhe declama mulher

Caminha sem mimimi ...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

Uma rosa e um poeta

Cultuo rosas em tua lembrança
Busco-te nos volteios da esperança
Rosas que ao orvalho se enveludam
Rosas que ao teu sorriso se desnudam
Rosas onde o teu aroma cai poente
E é aprisionado em pétalas de um só tema
Pétalas de lábios ausentes
Pétalas de ilusões doentes
Pétalas da noite em que te faço poema.

Uma rosa tece a madrugada
Nada de sonhos... Apenas outra flor
Mas nos meus olhos uma rosa enluarada
Vai amanhecendo minha alma poeta...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4   Seguinte   Ultima