Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 86 textos. Exibindo página 3 de 9.

Reflexo vago

Onde anda aquele rapaz
Que do espelho me olhava
Que nada falava
E não voltou mais.

Saiu à procura de alguém
Não sendo ninguém!
Não deixou sequer
Um recado amarrotado
Numa boca qualquer.

Se foi de madrugada
Seguindo as constelações
Cantando canções
Nas ruas caladas
Esburacadas de ilusões.

Nenhuma notícia
Se vivo ou na polícia
Ninguém o viu
Só sabem que ele sumiu.

Algo me diz que ele vem...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Reflexões sobre o que não sei

Os namorados que se sentam à mesa
E dão-se as mãos num encontro frio
Lançando olhares de amor supremo
Não sabem, mas, na verdade, não se amam.
Os namorados que se acham tão íntimos
Frente a frente há tantos encontros
Conhecem as faces alheias em todos os detalhes,
As faces intelectuais e as faces físicas,
Todavia, nessa mesmice de paisagens
Eles nada compreendem na criatura amada...
Os namorados que não sentem ciúmes
Firmando-se seguros, leais, ímpetos...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

05/10/2014 - Reflorestamento

Pouco a pouco
Seus olhos verdes
Reflorestam os meus
Que morriam de sede
Ao calor do breu
Numa estiagem
De dor e adeus


Comentar Seja o primeiro a comentar

22/09/2015 - Refúgio

Refugia-se
Em meu peito
Cravando
Suas unhas
Cavando
Sem respeito
Em meu colo
E abre seu ninho
Em mim

Pra dentro
É o caminho
Rumo à fantasia

Não para
Não para
Escancara
Meu tórax
Entra e fecha
Minha pele
E me adere
Fazendo flecha
De cupido
Sua agulha
E da estrela-guia
A fagulha
Que vai acender
Meu coração ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Relâmpagos

Se tu queres
Que eu não vá
Por favor
Que me venha

Se tu queres
Que eu não me esconda
Por favor
Que me ache

Se tu queres
Que eu não morra
Por favor
Que me ascenda

No lume da tua luz
Que me cruza em cruz
No cume dos olhos teus
E deixe-me ver teu deus

Que me deixe cair sobre teus ombros
Que me deixe sair dos teus escombros
Que passe sobre o meu pesar ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Releituras

De repente,
Vasculha suas coisas
Em busca de um segredo,
Controla o medo
E a respiração,
Procura pelo escuro
Para não deixar sinais
E encontra o papel
Onde minhas palavras
Se misturam as suas digitais...
E quando encontrar
Versos dobrados
E perfumados de ontem,
Não se esqueça
De ligar o rádio
E o abajur,
Uma luz fraca
E uma música forte,
De preferência
O resto de uma luz
E uma bossa-nova,...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Relicário

Por que a estrela insiste em brilhar
Se você persiste em chorar

A escuridão talvez seja o melhor cenário
Para não consolar as suas lágrimas
Que escorrem como um relicário
Que existe por suas lástimas

Amar é como as teias de aranha

Nunca se ama de forma tamanha
Mais de uma vez
Por mais que tente se iludir
No véu da insensatez
Do amor maior não irá se despir

Pode se envolver na alegria de um momento...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Religião

Quando você se faz perto
Eu acredito
Nos sonhos
Que já iam distantes
De mim.


Comentar Seja o primeiro a comentar

Relógios de mim

É estranho dizer bom-dia
Para quem está em outro dia.
É estranho dizer boa-noite
Quando não há noite.
O dia em que você está
Eu não estou.
A minha data
Já passou
E minha falta
Não chegou.
Estou perdido no espaço
Sem saber o meu tempo.
Não vejo cartomantes
Calendários
Relógios
Ao meu redor.
O ontem
Ficou esclerosado,
O hoje
Se atrasou
E o amanhã
Fugiu de mim
Quando soube...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Relojoaria

Quantos momentos passam em um tempo
Onde o relógio é tão vazio
E o horizonte ? intenso e infinito
Momentos que nascem e renascem
Em idas e voltas e revoltas e vindas
Quantas promessas prometidas
Quantas amantes amadas
Quantas palavras contadas
Quantas dores exorcizadas
Quantas luas desabotoadas
Quantos os que se renderam ao tempo
Lançando olhares ao nada do nada
Na calada de momentos
Que voltam como uma reprise...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima