Daniel Campos

Poesias

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 2480 textos. Exibindo página 4 de 248.

06/11/2016 - A mil quilômetros

Eu te amo
Distante e calado
Meio complicado
E tão apaixonado
A mil quilômetros
Sinto seu gosto

Eu te amo
E decreto os óbitos
Das minhas solidões
Me livro do encosto
De tantas paixões
Pra sempre verdes

Eu te amo
Caindo pelas tabelas
Suspirando na janela
Subindo em paredes
Tal homem aranha
Vem e me arranha


Comentar Seja o primeiro a comentar

11/04/2016 - À moda da chef

Me cheira
Me tempera
Me espera
Me queira
Bem
Muito bem
Meu bem.

Me provoca
Me vira
Me invoca
Me gira
360 graus
De caos
Sem tchau.


Comentários Comentários (1)

A mulher de direito

A mulher de direito
Cria leis
Dita regras
E tem olhos
De código penal.

A mulher de direito
Não gosta
De desrespeito
E defende o amor
- Um réu piegas -
Sozinha no tribunal
Diante de um crime passional.

A mulher de direito
Faz amor de toga
E pratica ioga
Para se livrar do mal
Do malfeito
Do preconceito
E do imoral.

A mulher de direito
Tem artigos...
continuar a ler


Comentários Comentários (3)

A mulher de machu picchu

Por detrás do portal do sol
Desvirgina-se
A mulher de machu picchu
Aprisionada pelo último imperador inca
Teve suas asas cortadas
E sua vida condenada
A mais de dois mil metros de altura.

Diante da escolha de ficar
Ou se jogar da velha montanha
Resistiu ao tempo
E foi eleita rainha daqueles templos, praças
E corpos mumificados
Que um dia
Desejaram-na enquanto amada.

No seio da velha montanha...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

A mulher dos druidas

Ah! Onde estão os druidas
Será que brincam nos seus cabelos
Será que vão pelo deserto dos camelos
Será o que será das nossas vidas
O que acontece acontecerá
O que vai ser será
Não adianta se esconder
Não adianta deixar de me dizer
Meu coração em catedral
Eu e você cordão umbilical
Ah! Coração catedrático
Ah! Coração enfático
Ah! Coração matemático
Calcula a saudade
Numa fração sem idade
De número irracional...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/12/2014 - A mulher proibida

Sob os olhos do policial
A mulher proibida
Passa com olhos de sal
Derramando-se
Ao longo da avenida
Desamarrando-se
De algemas imaginárias
De sua paixão corsária
Mas quer continuar presa
Ao seu passado
Que é a sua natureza
Sua beleza
Vem do atentado
À lei do homem, do frei
Sob os olhos do policial
A mulher proibida
Passa (in)feliz da vida
Manchete de jornal


Comentar Seja o primeiro a comentar

A mulher que eu amo

A mulher que eu amo
Se equilibra
Num arame de pano
Entre o humano
E o mistério.

Em seus olhos,
O redemoinho
De mil planos
E no caminho
De seu sexo,
A água e o óleo
De um monastério
Perplexo
De silêncio e segredo.

O tempo da mulher que eu amo
É o exato momento
Que há entre a tarde e o cedo
De um sentimento
Sacro e profano.

A ela, os anjos em guarda...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

A mulher que leva um chocolate

A mulher que leva um chocolate em suas mãos
Leva um segredo, leva um mistério, leva um destino que nem ela conhece.
É como se o impossível deixasse de existir
Nas mãos que ganham movimentos exatos, lentos, abstratos
Ao despir o chocolate com a delicadeza de uma assassina.
Mansa e solitariamente,
O silêncio percorre as mãos e se alastra por todo o corpo
Da mulher que leva um chocolate em seus olhos.
Olhares de carinho e pecado
Trocados feito amor que já não existe....
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

A mulher que me habita

Eu não sei,
Não sei o que me habita,
O que me arde por dentro,
O que me consome,
Só sei que teu nome
É chama
Que chama todo meu sentimento.

Eu não sei,
Não sei o que me habita
O que me ata e desata
O que me provoca e sufoca
O que me entontece e enlouquece
Só sei que não existo longe
E tão longe de você.

Eu não sei,
Não sei o que me habita
E me leva a caminhar
Nas linhas das tuas mãos, ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

A mulher que não passa

Ah! Por onde passam os passos da mulher que não passa
Passam-se os dias, as semanas, as estações do ano
Em equinócios e solstícios,
Mas a mulher que me habita não passa...
A cada instante aumenta o ardume
Provocado pela poesia que não passa
A falta dessa mulher causa dores nas costas,
Insônia e marcas por todo o corpo,
Além de doses homeopáticas de ciúme...
Que mulher é essa que some no silêncio
Tão logo se arremessa na noite fria...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   2  3  4  5  6   Seguinte   Ultima