Daniel Campos

Poesias

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 2480 textos. Exibindo página 5 de 248.

A mulher que não se sabe

Nada é pior do que não se saber a mulher amada.
Se você a vê, ao menos de longe, sabe que ela existe.
No entanto, se ela surge só em pensamentos, eis o perigo:
A linha entre saudade e loucura é fina demais,
Ela pode estar em um penhasco ou em um apartamento
Que não nos traz nenhum sentido.

A distância talvez seja a maior das traições
Ainda mais quando ela não deixa caminhos...
E assim se faz a mulher que não se sabe
Distante e presente, ao mesmo tempo,...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

25/12/2015 - A mulher que voa

Eu quero a mulher que voa
Não um voo à toa
Mas um voo multidimensional
Que voa em vários planos
Ao mesmo instante
Um voo certeiro e sem destino
Certo
Um voo solo
Mas capaz de atrair
Para junto de si quem desejar
Um voo por meio de asas
Nem tão imaginárias assim
E combustível de estrelas
Portanto, um voo real
No seu mais completo sentido.

Eu quero a mulher que voa
E um voo a mim entoa....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

15/09/2017 - A nossa história pede continuação

Eu e você
Uma história de desencontros
Onde que já foi provado
Que nem mesmo a distância
Separa
Esses dois seres apaixonados.

A gente não percebeu
Mas a gente era pra gente
Desde o princípio,
Somos um amor sem idade
E de verdade,
Conectados pela saudade.

Eu e você
Numa ligação atemporal
Pra lá de especial,
Onde um mais um
É um só coração
Alimentando o casal. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

28/07/2015 - A noz e o esquilo

Eu ando por ai sem saber quem sou
Se me dizem que é pra lá eu vou
Se me falam que é isso nem digo ou
Se precisam de amor, amor eu dou
Eu sou coador de sentimento ao vento
Eu coo, eu doo, eu soo amar atento
Ao tempo em que me roo por dentro
Querendo saber quem sou por ai
Se me dizem pra ir já saio daqui
Ignoro o ou e quero isso e aquilo
Eu sou o meu alimento e de mim
Me alimento. Sou a noz e o esquilo


Comentar Seja o primeiro a comentar

01/02/2017 - A originalidade de Ana Letícia

Seus olhos, seus olhos
Seus olhos... Ana Letícia
Prendem de um jeito
Puxam com vontade
Afundam pra valer
Como areia movediça...
Seus olhos levam pra dentro
Da sua realidade, dos óleos
Do seu eu mais profundo
Do seu mundo (im)perfeito
De sentimento e querer.

Ana, Ana Letícia, ideia fixa
Na mente dos apaixonados
Quantas bocas sussurram:
“Eu quero, eu espero você
Para sempre ao meu lado”......
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

12/07/2014 - A pedradas

É difícil entender
É impossível aceitar
A mulher amada
Receber o amor
A pedradas
Pedras sem calor
Na frieza
Na tristeza
De um dissabor
Que só faz sufocar
Possíveis explicações
E as já inaudíveis razões
É infalível não se doer
Com a mulher amada
Que por ela açoitada
Põe tudo a perder
Com suas pedras frias
Com suas frases vazias
Com seus olhos fugitivos
Com seu amor morto-vivo ...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

29/10/2013 - A princesa e o sapo

Dona da beleza
Não valho seus sapatos
É a minha princesa
Sou seu sapo
Tem sangue azul
Sou feito de lodo
Tem ares de Istambul
Sou seu engodo
Você canta
Eu coacho
Você encanta
Eu não me acho
Você desfila
Eu sou de outra trilha
Você tem coroa
Eu ando à toa
Você é rosa
Sou verde
Você é fabulosa
Não mato sua sede
Você é de outro planeta
Sou do submundo
Você é pós-moderna...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

A rosa e o cravo

Corto os pulsos
Tusso
Um amor comprido

Ardo-te em maleita
Entro na tua seita
E faço-te meu comprimido

Pulo muro
Rolo do telhado
Esqueço meu passado

Furo
O teu peito
Com minha lança
Deito no teu parapeito
E sonho feito criança

Sou o teu mal
Teu juízo final
Sou teu confete
O teu grito de carnaval

Sou a gilete
Que fere e lhe depila...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

10/01/2017 - A rosa e o espinho

Você era a rosa
Eu, o espinho
Juntos, éramos perfeitos
Agora separados
Exilados um do outro
Você continua linda
E prosa do mesmo jeito
Mas sem os espinhos
Para te proteger
E eu sigo espinhento
Triste e dolorido
Do verbo sofrer

Sem você já não somo
Só me divido e subtraio
Não me pergunte como
Mas descobri
No meu tormento
Particular
Que um espinho
Pode machucar ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

A rosa e o linho

Vem
Deixa eu me esconder
Em teus pelos
Vem e ouve
Ouve meus apelos
Deixa eu te fazer
De escravo
Mostra-me tuas costas
Que eu cravo
Minhas unhas
Nas postas
Das suas asas
Ah! Deixa-me mergulhar
Nas casas
Dos botões
Da tua camisa
E me vestir no seu suor
Vamos, saia pela brisa
Como vento solto
E me deixe
Caçar-te
Com meus arpões
Vem ser mais uma marca...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   3  4  5  6  7   Seguinte   Ultima