Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 101 textos. Exibindo página 1 de 11.

23/01/2017 - Friso do tempo

Não chora
Pelo que foi embora
Tudo o que você precisa
Você tem agora

Pode não entender
Pode até sofrer
Mas é hora de ver
O que o tempo frisa.


Comentar Seja o primeiro a comentar

05/12/2016 - Força que não tenho

Eu queria ser forte o suficiente
A ponto de não fraquejar
Diante de um simples luar
Mas eu coloco o coração
Entre os dentes
E tão somente
Sigo a estrada que não é
Da razão
Eu tenho fé
E não me importa se caio
Se chego, fico ou se saio
De pé
Eu me jogo em queda-livre
No escuro, no vazio
No rio do tempo
E só me importo
Com o sentimento
Que tenho e tive
Com o que vive
Com o que sei, terei...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

14/08/2016 - Faça-se pai

Que um dia
Minhas palavras
Se tornem carne
E meus poemas
Tenham boca
Para me chamar
De pai
E corram pela casa
Fazendo arte.


Comentar Seja o primeiro a comentar

23/07/2016 - Filha de câncer

Filha de câncer
Emotiva dos pés à cabeça
Carinhosa como ninguém
Protege e pede proteção
E se guia pela intuição

Mística, mágica, encantada
E encantadora por si mesma
É simpática até pelo avesso
E tem uma timidez sem preço
O mistério é o seu endereço

Filha de câncer
Vai fundo nos sentimentos
Romântica, sensível, família
Meiga e doce, céu azul
Com pitadas de tempestade.

Desconfiada e arredia ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

20/02/2016 - Funeral no mar

A noite corre
Feito um rio
Doce que morre
No vazio do mar

E todo açúcar
De um luar
Se entrega
Ao sol de sal

E toda nuca
Se arrepia
Pelas ondas
Da cotovia

E fica maluca
Quando enxerga
A sombra
Do dia a dia

E o faroleiro
Bem faceiro
Alumia o funeral
Do rio no mar


Comentar Seja o primeiro a comentar

02/02/2016 - Flor Iemanjá

Iemanjá
É nome de flor
Que dá
Funda no fundo
Das águas profundas
Do mundo

Iemanjá
É de embelezar
Toda vida
Que há
Entre a chegada
E a partida

Iemanjá
É senhora
De Oxalá
Unindo
Ungindo
Céu e mar


Comentários Comentários (1)

20/11/2015 - Fui ou não pirata

Eu fui pirata
Do barril
Tomei navio
E fragata
E um rio
De rum

Não fui pirata
Algum
Só tive segredo
Um barco de lata
E papagaia brava
Que não falava

Meu tesouro
Não tá em arca
Nem em lata
Tenho tanto ouro
Quanto sou pirata


Comentar Seja o primeiro a comentar

19/11/2015 - Flancos

Admiro seus flancos
Amo roçar os tecidos
Em seus barrancos
Boto quebranto
No seu olho de santo
E meus tempos idos
Ao seu lado
Como seu marido
Namorado
Nunca esquecidos
Serão para sempre
Solavancos
Dentro do coração

Admiro seus flancos
Seu sim seu não
Seu real sua ficção
Seus negros e brancos
Cisnes da aflição

Aflija-me
Pelos centros
Pelos flancos...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

17/11/2015 - Fardada de nudez

Arruma a cama
Dispa-se da dama
Que ainda guarda
E vista a farda
Da nudez
Outra vez
Deixa o carma
E se desarma
Acende a chama
E diz que me ama
Mais uma vez
Plena de nudez


Comentar Seja o primeiro a comentar

31/10/2015 - Flamboaiã

Seu sabiá laranjeira
Dormiu a lua inteira
No pé de flamboaiã
Mas foi só o sol raiar
Na beira da manhã
Pra começar barulhar
Fazer tropé, forfé
Não queria maçã
Semente de romã
Não queria mulher
Nem rapapé
Seu sabiá laranjeira
Só queria zoeira
E ele gritou, bicou,
Estardalhou, zoou,
Voou, pousou,
Falou sabiamente
O seu sabiá
Detrás pra frente
No ouvido
De quem dormia...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

      1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima