Daniel Campos

Ou exibir apenas títulos iniciados por:

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  todos

Ordernar por: mais novos   título

Encontrados 254 textos. Exibindo página 2 de 26.

02/04/2010 - Paixão dolorosa

Santa, puramente santa nasceu você, sexta-feira das dores. Santa feira, sexta de dor. Nasceu condenada ao silêncio e ao sacrifício. Nasceu jurada ao sofrimento vitalício. Tem o legado da proibição, da inibição, da castração de desejos e outros ensejos. Sexta de Barrabás. Sexta da vitória do Satanás, do martírio de Deus, do choro dos judeus, é assim dolorosamente sexta por quase dois mil anos. Tanto tempo faz e o vento que corre em ti, sexta-feira, ainda corta em dor de luto.

Sexta do grito de Jesus questionando o possível abandono do pai. Sexta que mata e morre na cruz. Sexta da escuridão, do roxo, da falta de luz. Sexta das dores. Sexta dos atores que encenam a paixão. A paixão de um Deus que se fez carne e morreu por nossas mãos. Sexta dos ateus e dos cristãos. Sexta do choro de Nossa Senhora, mãe e virgem dolorosa. Sexta das promessas de redenção, de ressurreição, de glória e aleluia. Sexta na qual um pássaro de fogo canta o fim do mundo na beira da tuia. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

05/01/2012 - Paixão italiana

Nem mesmo as décadas de distância conseguiram apagar as lembranças de sua língua. Mantinha um forte sotaque italiano. Aliás, para ela, certas palavras só existiam em seu idioma natal. Qualquer um ao abrir sua janela da sala enxergava um amontoado de prédios e ruas abarrotadas de carros e pessoas num constante vai e vem. Já ela via uma paisagem completamente diferente, bucólica, com campos verdes e casas de pedra. É como se aquele tempo se encontrasse intacto dentro de sua cabeça. Um primor.
...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

06/10/2014 - Paixão mateira

Apaixono-me por inteiro. Dinheiro algum me move dos meus sentimentos. Sou moinho ao vento. Amo e de tanto amor me faço um sonhador entregue ao firmamento. Tenho compromisso com quem me ama. E estou no tempo do viço do coração. Coração em parafuso, em reboliço, encantado pelo apaixonamento que é mais forte que qualquer feitiço. Apaixono-me feito violeiro, de corda em corda, de casa em casa, numa completa melodia. Vivo bobo pelo cheiro de quem amo e me declamo pelo estradeiro sem fim. Paixão em mim dá raiz e ramo, crescendo por todos os cantos e contracantos. Quando menos se espera, como num acalanto, apaixono-me com esse meu jeito mateiro, num juramento faceiro ao amor demais.


Comentar Seja o primeiro a comentar

24/08/2014 - Paixão não dá e passa

Essa história de que com o passar do tempo a paixão vai embora e o amor é o que fica não passa de uma grande mentira, posto que eu me apaixono por você nova e novamente várias vezes durante o meu dia.

Eu me reapaixono por você de tantas formas que é impossível acreditar nessa lorota de que a paixão vai embora, pois em mim, no que diz respeito a você, ela só faz conquistar mais e mais espaço a cada momento.

A paixão não envelhece, pois, como o fogo, renova-se por conta própria e se um dia ela deixa de arder, esfria ou não faísca mais é porque algo está errado, já que meu apaixonamento por você é moto-contínuo. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

12/01/2012 - Palavra de Xangô

Ninguém pode dizer que não sabia. Ainda no ano passado Xangô mandou avisar que ia fazer reboliço na justiça dos homens. O caos no Judiciário é resultado das machadadas do deus do trovão. Escândalo, baixaria, corrupção. Xangô não perdoa. Não tem misericórdia. Xangô é duro, austero e violento, justiceiro como ele só. O rei do fogo tem a mão firme na hora de julgar e proceder. Troca de acusações. Denúncias. Disputa de poder. Da crise da justiça nascerá uma nova justiça. Kawó-Kabiesilé Xangô!
...
continuar a ler


Comentários Comentários (1)

27/05/2011 - Palavras à mão

Quando escrevo, esqueço as teclas do teclado. Penso somente na caneta deslizando, como uma bailarina, pelo papel sem pautas. Em cada variação de letra ou em cada pausa mais corrida, deparo-me com a manifestação explícita do sentimento. Escrevo ao ritmo do vento que me dita linhas e versos. Um ritmo que varia, que oscila, que palpita. Não me preocupo com a caligrafia, minha letra segue quase ilegível até mesmo por mim. É como um código poético, aberto apenas pela chave da alma.

Letras correntes como água vinda da fonte. Letras lançadas ou cravadas na página, conforme o impulso, o instinto, a inspiração dominantes. Ao contrário do barulho das teclas pressionadas pela ponta dos dedos, o choro do parto das palavras nascidas do ventre das mãos. As palavras vão se acomodando sem muita ordem. Qualquer obediência às regras da formatação poderia por fim ao processo criativo em curso. Escrever à mão é uma tarefa delicada como esculpir um rosto ou prescrever uma receita médica. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

20/05/2016 - Palavras do meu interior

O que eu faço é entregar o que eu tenho de bom. O que eu faço é dar o que eu tenho por dentro de sobra – palavras, palavras, palavras. Ofereço palavras como quem oferece um bombom. Palavras de silêncio e sem som. Palavras que saem de mim como lava. E eu sou um vulcão nada adormecido, posso cochilar, mas não durmo quando o assunto é sonhar, imaginar, amar. Se palavras quiserem, palavras terão. Se palavras me derem, palavras se amarão. Palavras de amor, de saudade, de esperança, de espiritualidade, de lua, de mato, de rio, de mar, de verdade, de paz. Palavras que vem e vão mesmo quando eu não vou. Palavras de quem amou, ama e amará demais em palavras que vão se encontrando, se proliferando e brotando como casais pelo cais, pelos coqueirais, pelos milharais, pelos arraiais que existem em meu inteiro amor, em meu inteiramor, em meu interior.


Comentários Comentários (1)

05/02/2013 - Palavras na cozinha

Palavras areadas. Palavras peneiradas. Palavras no escorredor. Palavras pré-cozidas e cozidas por inteiro. Palavras recheadas. Palavras em fogo alto. Palavras souteé. Palavras moídas. Palavras de vez e maduras na mesma fruteira. Palavras ao alho e óleo. Palavras de avental. Palavras ferventes. Palavras mexidas. Palavras marinadas. Palavras desidratadas. Palavras ensopadas. Palavras de cheiro verde.

Palavras crocantes. Palavras no tabuleiro. Palavras em ponto de suspiro. Palavras sovadas. Palavras de geladeira. Palavras apimentadas. Palavras instantâneas. Palavras cortadas na ponta da faca. Palavras em camadas. Palavras derretidas. Palavras em banho-maria. Palavras lambuzadas. Palavras no azeite. Palavras em conserva. Palavras frescas. Palavras fermentadas. Palavras em calda. Palavras em brasa....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Pantofobia

Medo de bala perdida. Medo de juros bancários. Medo da cotação do dólar. Medo de se envolver demais. Medo de dar e de não dar esmola. Medo aéreo, terrestre, aquático e até subterrâneo. Medo do aquecimento global. Medo de calorias. Medo do estresse. Medo de andar na rua à noite e durante o dia também. Medo de sinal vermelho. Medo de não ficar desempregado. Medo de politicagem. Medo dos extremos. Medo dos ácaros. Medo do diferente. Medo da dor. Medo de lugares fechados e abertos demais. Medo de vento, de redemoinho, de furacões e de outras variações do sopro divino. Medo de ficar sozinho. Medos das flores do espinho. Medo do fracasso. Medo de fenômenos cósmicos. Medo de ser roubado. Medo do espelho. Medo do conhecimento. Medo da segunda-feira. Medo de estar sendo vigiado. Medo de se apaixonar. Medo de ser avaliado negativamente. Medo de pensar. Medo de envelhecer. Medo de sentir prazer. Medo de tecnologia. Medo de mudanças. Medo de sonhar. Medo de ter responsabilidade. Medo de ser tocado. Medo da exclusão. Medo da felicidade. ...
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

23/06/2012 - Para além da Rio+20

Ao contrário de riscar um fósforo, plante uma árvore. No lugar de esmolas, dê sementes de solidariedade. Ao planejar o futuro não esqueça de que ele, o futuro, começou ontem. A melhor arma contra a poluição sonora? Tom Jobim. Ao jogar lixo no chão imagine-se sem chão. Lembre-se de que é uma natureza tão bela quão furiosa quem está no topo da cadeia alimentar. Mais do que reciclar lixo, recicle seus pensamentos. Cuidado, o preconceito é extremamente tóxico. Apague as luzes para que as estrelas possam ficar visíveis....
continuar a ler


Comentar Seja o primeiro a comentar

Primeira   Anterior   1  2  3  4  5   Seguinte   Ultima